No começo
Eu falava atrás da porta
Com as mãos entrelaçadas
Te buscava
Tu eras meu amigo imaginário
Te buscava pelas frestas
Te via pelos buracos
Te ouvia no som do vento
Te buscava com meu pensamento
Meus segredos
Conhecia todos
Me obrigavam a saber quem tu eras
Mas eu já te conhecia
Éramos íntimos
Do nosso jeito
Que história era aquela?
O tempo passa
Te esqueci atrás da porta
Fechei todas as frestas
Tapei todos os buracos
E me escondia do vento
Toda vez que via a tempestade
Agora vejo
Tu não estavas atrás da porta
Tu és a porta
O que me atraía era a tua luz
O teu amor
Que não demora

J. Nobre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s