Ele estava naqueles quadros
Sua alma
Seu fôlego
Sua essência
O contorno dos pincéis o fizera
O segredo escondido

Seus olhos copiosamente seguiam
O toque preciso nas telas
A rapidez com que destra
Boca entreaberta
Um sussurro
Um suspiro

A textura
Fantasia

Da noite ao amanhecer
Do amanhecer ao entardecer
O dilatar das suas pupilas
Confessavam-me
O que eu queria ter
O que ele queria ser

Versos e vinhos
Todas as estações
Som de fulgor
Frio
Calor
Amor

O entusiasta
Debruçado na janela
Observara o horizonte
Sentindo a brisa leve
Minha inspiração
Sua confissão

O cheiro
O frescor

O intenso sabor
O suave toque
Devorava-se com os olhos
Em uma expedição
O toque sobre a tela
Aflorava sua imaginação

Alma transparente
Livros rebuscados
Pincéis guardados
Sonhos na estante
Pode o entusiasta parar de inspirar?
Acaso pode um homem deixar de sonhar?

J. Nobre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s